► Horários de Atendimento ◄
» 2ª feiras das 14:00 às 18:00 hs «
» 3ª à 6ª feiras das 14:00 às 20:00 hs «
» E sábados das 12:00 às 17:00 hs «
Av.Parada Pinto, 671 - Vila Nova Cachoeirinha - São Paulo - F:(011)3851-9768 //3985-7622
Agendamento de Atendimento a domicilio e Visitas a Criadouros
Clique Aqui para falar com o Dr. Shimaoka
Sejá Bem Vindo !

Roda de Trinca Ferro » 1º Trovão em - 16/09/2012

Dr.Luiz Alberto Shimaoka - CRMV 6003

A Clinica Veterinária Shimaoka representada pelo Dr. Luiz Alberto Shimaoka, veterinário CRMV 6003 a mais de 20 anos, está apto a prestar atendimento de urgência, cirurgias, consultas e atendimentos agendados em residências e criadouros , para prestar consultoria e acessoria administrativa na instalação de aviarios, criadouros e outros , para obter os melhores resultados de produtividade e qualidade na sua criação. Médico Veterinário atuante com cães, gatos, répteis e "Especialmente em Aves Exóticas e Silvestres"

Doença do Pacheco

Herpesvírus
Saiba o que é a Doença do Pacheco e fique por dentro dos males que ela pode ocasionar à sua ave.
-
É uma doença que afeta todas as espécies de psitacídeos (nativos ou importados), independente da idade e sexo. Sua característica principal é a morte súbita de aves que até o momento da morte demonstravam estar perfeito estado de saúde.
O agente causador da doença é um herpesvírus, que leva a uma alteração do fígado e baço de forma a necrosar os mesmo e invariavelmente a morte vem de forma muito rápida. O vírus persiste na natureza e nos plantéis em aves doentes ou portadoras (aves que possuem o vírus dentro de si, mas não apresentam sintomas da doença) de forma tal que periodicamente exista a reativação da doença incubada e assim estas eliminam os vírus de modo a espalhar e contaminar novas aves.
-
A transmissão se dá através da contaminação do ambiente com fazes e secreções faringianas, decorrentes de espirros , vômitos ou outras excreções. No ambiente podem contaminar o recinto, alimentos , água e acessórios , de modo que ocorra exposição das aves ao agente, facilitando assim a sia disseminação para novas vítimas. Existem outros meio de transmissão como os acessórios, insetos , sujidades, carros, correntes de vento e até mesmo as nossas próprias mãos. O vírus parece ser instável no meio ambiente , mas há muitos casos onde esse tempo parece não ser real, pois do contato à sintomatologia pode ter passado um período muito longo. 
-
A incubação que nada mais é do que o tempo necessário para que o vírus entre no corpo até que a ave comece a demonstrar sintomas da doença , é em torno de 3 a 7 dias. Muitas aves que chamamos de assintomáticas, ou seja, possuem o vírus dentro de si, mas não demonstram a doença, provavelmente são as grandes responsáveis pela manutenção do mal na natureza e em nossos plantéis.
-
Como sinais clínicos, podemos ter:
• Sinais inespecíficos ( que podem aparecer em qualquer doença ), como a falta de apetite, vômitos, diarreias, urina esverdeada, secreção nas narina, sinais nervosos apatia, entre outros sinais. Normalmente essas aves evoluem para a morte , mas algumas podem se recuperar.
• O sinal mais caraterístico ( e de maior relato) é a morte de aves clinicamente sadias e que vêm a morrer de modo rápido e sem demonstrarem nenhum sintomatologia anterior. Ou seja, pareciam estar em perfeito estado de saúde até mesmo antes da sua morte.
-
O diagnóstico pode ser feito com o achado do vírus nas fazes ou em secreções da boca após a morte por achados de necropsia podem indicar a morte por herpesvírus. O tratamento é complicado, pois não existe medicamento eficaz contra o agente viral, podemos tentar manter o quadro clínico estável, oferecendo medicação de suporte para que a ave possa demonstrar sinais de combate e melhora da doença. A prevenção é a maior aliada no controle da disseminação da doença.
Devemos tentar separar indivíduos susceptíveis daqueles suspeitos de portarem o vírus. Cuidados com a higiene do criatório, acessórios, gaiolas, paredes e funcionários são determinantes na disseminação da doença em nossos criadouros. O herpesvírus normalmente é sensível ao ressecamento e à maioria dos desinfetantes.
O estresse das aves pode facilitar a disseminação da doença por fragilizar o sistema imunológico das aves sadias e favorecer uma maior eliminação de vírus pelas aves afetadas por ficarem mais sentidas e fracas. Assim sendo, qualquer fatos que facilite a queda de resistência das aves favorece muito maior eliminação e disseminação da doença das aves presentes em nossos plantéis e em outros.


Um forte Abraço a todos
--
Você já conhece o nosso Jornal Aves e Companhia®?
Se você ainda não conhece, » Clique Aqui « e venha nos fazer uma vista.
O Jornal reúne as melhores ofertas com Promoções e Oportunidades dos criadores, distribuidores e parceiros cadastrados no Clube dos Psitacídeos e Cia.
--
Agradecimentos.:
» Revista Passarinheiros & Cia
» Dr Luiz Alberto Shimaoka - Clinica veterinária Shimaoka
» Veterinário atuante em Aves Exóticas e Silvestres - CRMV 6003

seja o primeiro a comentar!

Design by Antonio Silva ^