► Horários de Atendimento ◄
» 2ª feiras das 14:00 às 18:00 hs «
» 3ª à 6ª feiras das 14:00 às 20:00 hs «
» E sábados das 12:00 às 17:00 hs «
Av.Parada Pinto, 671 - Vila Nova Cachoeirinha - São Paulo - F:(011)3851-9768 //3985-7622
Agendamento de Atendimento a domicilio e Visitas a Criadouros
Clique Aqui para falar com o Dr. Shimaoka
Sejá Bem Vindo !

Roda de Trinca Ferro » 1º Trovão em - 16/09/2012

Dr.Luiz Alberto Shimaoka - CRMV 6003

A Clinica Veterinária Shimaoka representada pelo Dr. Luiz Alberto Shimaoka, veterinário CRMV 6003 a mais de 20 anos, está apto a prestar atendimento de urgência, cirurgias, consultas e atendimentos agendados em residências e criadouros , para prestar consultoria e acessoria administrativa na instalação de aviarios, criadouros e outros , para obter os melhores resultados de produtividade e qualidade na sua criação. Médico Veterinário atuante com cães, gatos, répteis e "Especialmente em Aves Exóticas e Silvestres"

Singamose II (caça ao verme)

Singamose II  (caça ao verme)
Nos últimos meses tem chegado à redação da revista um número muito grande de dúvidas e a respeito de Singamose ou Pevite, por esses mesmos motivos resolvemos complementar as informações , publicadas anteriormente em uma outra edição da revista "Passarinheiros & Cia" e o Dr. Luiz Alberto Shimaoka. Como dissemos , a Singamose ou Pevite é uma doença provocada por um verme traqueal que afeta o aparelho respiratório das aves, levando a alterações que vão desde leves mudanças na respiração até mesmo à morte.
No meio dos criadores de pássaros a doença é conhecida com pevite , e acredito que a grande maioria a conhece como pevite e acredito que muitos já ouviram falar a respeito e pode até mesmo ter uma ideia mais ou menos certa , da dimensão do problema.
A doença é ocasionada por um verme respiratório que vive ao nível da traqueia e pulmões de muitas aves domésticas e silvestre. O verme tem coloração avermelhada , onde normalmente o macho e a fêmea ficam únicos em forma de y (também conhecido como verme forquilha, pelas pessoas mais antigas e que tinham contato com granjas de galinhas , onde a doença era relativamente comum) em cópula constante . Os vermes machos e as fêmeas adultas ficam em constante “cruza” e são os responsáveis pela produção e disseminação do ambiente. O macho mede entre 2 a 6 mm de comprimento e a fêmea de 5 a 40 mm. O tamanho do verme normalmente é proporcional ao tamanho da ave afetada , ou seja o parasita . Aves pequenas , como um canário , o parasita dificilmente ultrapassará 4 a 5 mm de comprimento.
Os vermes adultos vão se localizar e se instalar na traqueia e brônquios da ave afetada , enquanto as larvas e formas imaturas irão se alojar em pulmões sacos aéreos e tecidos próximos a estes. 

Deste modo a sintomatologia se dá pela própria ação direta do parasita no local da fixação do mesmo , ou seja , se for em nível de traqueia podemos observar os sinais como tosse e espirros e se for pulmonar como dificuldade respiratória e pneumonia . 

As larvas adultas que vivem na traqueia das aves põe os ovos e estes são “ empurrados” pelos cílios traqueias para fora , como forma de proteção , sendo então expectorados pela boca ou narina ou engolidos e eliminados nas fezes das aves , contaminando assim o ambiente . 

Após serem eliminados pela aves estes ovos podem ser engolidos ou espalhados por hospedeiros intermediários ou romperem-se alguns dias depois liberando uma larva e contaminando o meio ambiente. 

Esta larva tem o poder de contaminar tanto as aves como os hospedeiros intermediários . Lembrar que os hospedeiros intermediários são aqueles que podem “ hospedar” o agente de uma doença , carregando a forma nova da larva de um lugar para o outro , como exemplos podemos citas as minhocas , tatuzinhos , caramujos , lesmas, etc. , preservando assim o parasita das condições agressivas do meio ambiente, como secas , ventos , sol , entre outras. 

Se estas larvas forem engolida pelo hospedeiro intermediário elas vão formas um cisto na musculatura da mesma , e assim podem se manter vivas por vários anos . Agora, se forem engolidas pelos hospedeiros definitivos ( as aves) elas vão para o intestino , passam pela parede do mesmo e caem na corrente sanguínea por onde têm acesso a vários órgãos como o fígado , coração e pulmões . Após atingir os pulmões , em 3 a 4 dias , se tornam adultas e vão ser encontradas na traqueia das aves , fechando assim o seu ciclo de vida dela . O tempo de ser engolido até atingir a traqueia é de aproximadamente 7 dias. 

Como sinais da doença poderemos ter vários sintomas como , por exemplo: tosse, irritabilidade, rouquidão ou ronqueira , tosse assobiada , dificuldade de respirar , sinais de como se estivessem engolindo algo , abrir e fechar o bico podem ter “ hiperqueratose” de língua ( formação de uma “capa” mais espessa sobre língua levando a sinais como de coçar o céu do bico com a mesma ) , esticar de pescoço, engasgos , chegando até mesmo a uma pneumonia e morte. 

Depois de instalado, ocorre a inflamação da traqueia e brônquios , levando à formação de secreções catarrais e purulentas, dependendo pode ocorrer a formação de bolsas de pus e abscessos ( que é a coleção de pus envolto por uma cápsula) e consequentemente abstrusão da traqueia e morte da ave por asfixia. Normalmente aves novas são mais sensíveis ao problema e o quadro é mais agressivo. Um único casal de vermes parasitando a traqueia pode provocar a morte de uma ave , normalmente são encontrados mais de dois pares (casais) 

O diagnóstico pode ser feito por:
- Sinais Clínicos - através do exame clínico , vistoria de traqueia e imediações, entre outros; 
- Exame de laboratório com o exame de fezes – para detectar possíveis ovos do parasita ; 
- Em aves mortas através de necropsia com abertura da ave morte e a localização do parasita na traqueia ou larvas em brônquios ou pulmões ( exame histopatológico) 

Como método de prevenção poderá: 
- Separar as aves adultas das recém nascidas, evitando-se o contágio de possíveis aves adultas doentes com filhotes , pois estes são mais sensíveis; 
- Isolar as aves doentes, evitando-se a disseminação do problema 
- Sacrificar as aves em estado grave , pois algumas aves devido à gravidade do problema podem ficar inutilizadas para o bom andamento do criatório. As aves selecionadas para o sacrifício são aquelas que podem possuir uma grande carga de vermes, colocando em risco as aves sadias e as que ficaram com sequelas da doença, sem expectativa de melhora e sobrevida após o tratamento. 
- Eliminar de modo adequado as fezes e dejetos, evitando-se assim novas contaminações novos casos; 
- Combater minhocas, moluscos, insetos , etc.. , que podem espalhar a doença no criatório. 
- Fazer periodicamente exame de fezes, porque com isso poderemos detectar aves que possam estar contaminadas com o parasita , quebrando-se assim o seu ciclo de vida; 
- Manter a higiene dos bebedouros, comedouros e gaiolas, diminuindo as chances de haver uma sobrecarga de ovos de vermes e consequentemente a disseminação no plantel. 

O diagnóstico e tratamento devem ser feitos por uma profissional da área que saberá orientar e medicar de acordo com o grau de comprometimento das aves doentes , pois cada caso é um caso. Chegam-nos, diariamente, muitas histórias de criadores, que por processo mecânico manual, estão arrancando o engrossamento da língua acreditando assim , estarem eliminando o problema , o que não ocorre . Com este tipo de procedimento só estaremos expondo nossas aves a um grande risco de vida e sem necessidade de tal , pois o parasita está alojado na traquéia onde nossos dedos não têm acesso. Só estaríamos tentando eliminar o sintoma e não a causa.

Agradecimentos.:
» Revista Passarinheiros & Cia
» Dr Luiz Alberto Shimaoka - Clinica veterinária Shimaoka
» Veterinário atuante em Aves Exóticas e Silvestres - CRMV 6003

4 comentários

Caviário Ceará disse...

Pesquisei em muitos lugares e nenhum foi tao completo de informacoes como vcs, nunca imaginei que um verme pudesse causar os sintomas, no meu caso nas galinhas, estavam com todas as caracteristicas citadas acima, como espirros, coceira nos olhos, dificuldade respirat'oria.... depois desse artigo comprei o medicamento adequado e pelo que percebi em pouco tempo j'a vejo resultados. Obrigado!
Andr'e

Antonio Silva disse...

Oi, André
Muitas vezes não conseguirei determinar a causa de problema que possa encontrar, mas pode ter certeza de que pelo menos tentaremos achar o melhor caminho a tomar. Obrigado !! Boa sorte.
Luiz Alberto Shimaoka

elisangela carneiro disse...

ola td bom tenho um papagaio ele esta com fezes branca e liquidas e fica encolhido emum canto com as penas eriçadas e não quer comer a respirção começou ficar ofegante oq pode ser me ajude por gfavor oq posso fazer pra ajuda-lo

Antonio Silva disse...

Favor preencher o nosso formulário de contato no link abaixo, pois necessito de maiores informações.
•--» http://contactme.com/50058035e411a60002027490

Sem mais,

Postar um comentário

Design by Antonio Silva ^